7 Abordagens para Melhorar a Aprendizagem dos Disléxicos

Tempo de leitura: 6 minutos

Olá! Fiquei bastante contente com o convite do Pippo para colaborar com o blog e neste texto irei apresentar estratégias e recursos que indico para pacientes disléxicos ou com problemas de aprendizagem. Já adianto que, ao final do texto, você perceberá que muitas dessas orientações podem ser bastante válidas e úteis para todos os estudantes e para todos nós que lidamos com a necessidade da leitura no dia a dia. Antes de apresentar as dicas e estratégias, trago aqui a fala de uma paciente minha de 12 anos que é disléxica: “Amo aprender, mas detesto estudar!”. Por que será que isso acontece? Você também pensa assim? Estudar exige de nós muito mais do que interesse e curiosidade, por isso é tão frustrante e difícil algumas vezes. Então, para auxiliar a aprendizagem dos disléxicos, sugiro os seguintes passos:

Exercícios de Respiração

Antes de tudo, respire fundo e relaxe: diversas pesquisas internacionais e nacionais estão apontando que nos estados de ansiedade, a concentração de cortisol (hormônio do estresse) pode ser diminuída com exercícios de respiração diafragmática e de relaxamento muscular. Experimente respirar inspirando e expirando o ar lentamente nos pulmões, sentindo seu corpo com mais consciência. Os exercícios de relaxamento muscular podem incluir alongamento de diversos músculos, especialmente aqueles que ficam mais tensionados em você e que são os mais ativados nos momentos de estudo (pescoço, costas, ombros, braços). Veja esse gif bem interessante que pode te ajudar: http://i.imgur.com/Huou7Gh.gif

Organize uma Rotina de Estudos

Identifique qual é o local em que você é mais produtivo, o período do dia em que seus estudos podem render mais, a quantidade de conteúdos e materiais que devem ser estudados. Planejar e prever o período de tempo necessário para dedicar-se a cada estudo é fundamental. Ao mesmo tempo, são habilidades bastante complexas para a maior parte dos disléxicos. Por isso, com ou sem ajuda, o importante é tentar.

Utilize Mapas Mentais

Tentar estudar com pilhas de textos impressos ou ainda escritos por você mesmo pode ser um processo muito lento e árduo. Já que o disléxico possui problemas em decodificar os sons corretamente e em reconhecer as palavras visualmente, os mapas mentais podem ser de grande ajuda. Um mapa mental é uma representação gráfica e visual (que pode conter palavras e frases-chave) que organiza diversas informações distintas sobre um mesmo assunto e que possuem conexões entre si. Deste modo, podemos ilustrar diferentes conceitos e conteúdos e exercitar a memória e a síntese de informações. Neste link você encontra um site em que você pode acessar diversos mapas mentais e construir os seus próprios: https://www.goconqr.com/pt-BR/mapas-mentais/

Utilize Áudio Books

Como comentamos, o disléxico apresenta lentidão e prejuízos de identificação das palavras durante a leitura. Esses problemas prejudicam bastante a memorização e a compreensão de tantas informações escritas que precisamos aprender. Além disso, na correria do dia a dia, os prazos que temos podem ser muito curtos para ler livros e ainda precisar fazer exercícios/avaliações sobre esses textos. Por isso, os áudio-books, também chamados de áudio livros ou livros falados, que narram e fazem a leitura de materiais impressos, pode ser de grande ajuda para aumentar a sua compreensão e cumprir os prazos.

Estratégias Lúdicas e Multissensoriais

Músicas, poemas, filmes, experiências, visitas a locais… Voltando à frase “Amo aprender, mas detesto estudar!”, podemos repensar o que significa aprender e quais são as formas de estudar para aprender. A nossa sociedade valoriza muito apenas o estudo pela escrita, mas nós podemos e devemos estudar indo além dos textos e livros. As estratégias lúdicas são relacionadas às brincadeiras que podemos criar individualmente ou estudando em grupos: criar quizzes, imaginar situações engraçadas, criar piadas com os assuntos estudados, desenhar, cantar… A multissensorialidade diz respeito ao uso de outros sentidos do corpo que o disléxico tem mais fortes, como a visão, a audição e os movimentos. Podemos pesquisar e criar músicas com os assuntos que irão cair nas provas, ler e criar poemas (oralmente se você preferir!), assistir filmes sobre os assuntos e passar por experiências práticas que te ajudem a memorizar e se motivar mais pela aprendizagem daquele assunto que parece entediante e difícil.

Use o tempo a seu favor: Método Pomodoro

Nosso foco de atenção constantemente se dispersa, muda, vai para outras dimensões… E ficamos bastante frustrados se não conseguimos modificar isso sozinhos. Muitos de nós podemos acreditar que o “estudante ideal” fica initerruptamente por horas lendo e fazendo exercícios, mas podemos e precisamos abandonar esse ideal para adotar práticas mais saudáveis. Neurocientistas comprovam que nosso rendimento de atenção e cognitivo é muito melhor quando dedicamos pequenos blocos de tempo com foco e energia e intercalamos estes blocos com pausas de descanso. O método pomodoro coloca que a cada 25 minutos de dedicação a uma atividade, precisamos de 5 minutos de descanso. Existem diversos sites e aplicativos com o pomodoro timer, que te ajuda a utilizar essa proposta.
Veja mais informações neste link: http://guiadoestudante.abril.com.br/blogs/dicas-estudo/2015/02/23/veja-como-aumentar-a-sua-produtividade-nos-estudos-com-a-tecnica-pomodoro/

Flashcards

Um flashcard é uma ficha que contém na parte da frente uma pergunta, imagem ou conceito e no verso uma explicação ou resposta relacionada. Este recurso facilita bastante a memória porque precisamos resgatar de modo ativo as informações que lemos. Por exemplo… Preciso aprender o que é fotossíntese. Posso ter um flashcard com o nome do conceito e sua definição no verso. O estudante pode se desafiar a dizer o conceito mentalmente ou oralmente, resgatando as informações ativamente e depois consultar no verso do cartão quais informações acertou e quais não se lembrou. Podemos confeccionar em papel diversos flashcards e agrupá-los por matéria e assuntos. São muito práticos para consultar no dia a dia (enquanto estamos no metrô, na espera de uma consulta, num intervalo de tempo qualquer) e quanto mais utilizados, menos iremos precisar deles mais tarde. Existem também diversos sites e aplicativos que disponibilizam flashcards e permitem que você crie e personalize os seus: https://www.examtime.com/pt/flashcards/

Gostou das dicas!? Espero que sim e que no dia a dia você possa experimentá-las! Será muito legal ler seus comentários e dúvidas aqui no blog. Bons estudos!

5 Comentários


  1. Vou seguir as sete abordagens para ver se meu filho consegue aprender mais facilmente

    Responder

  2. Hoje com minha filha de 12 anos que teve um diagnóstico de dislexia, descobrir o blog…. estou emocionada! Muito obrigada por todas as dicas de tantos profissionais excelentes! Um abraço especial para o Pipo..ela adorou!!!
    Parabéns para todos os colaboradores, conteúdo do blog, design e principalmente, por todo o carinho!

    Responder

  3. Sou professora de alunos do 6°ano ao Ensino médio e tenho muitas dificuldades em ajudar alunos com dislexia. Por mais que eu leia e tente me aprofundar no assunto, ainda acho tudo muito vago. Principalmente porque minhas disciplinas (Português e Redação) são as que proporcionam mais dificuldades.
    Gostaria de dicas práticas para auxiliar esses alunos . Obrigada

    Responder

    1. Suas materias sao as que proporcionam mais dificuldade pois, o cortex-pre-frontal-esquerdo responsavel pelo processamento da linguagem funciona muito pouco em um disléxico.

      No mais estou a disposição para tirar dúvidas,

      Pippo – criador do DislexClub

      Responder

  4. Olá sou mãe do Isaque 8 anos , e está na 3 série , e agora no final do ano a professora dele me chamou pra uma reunião na escola , e ela me disse que desconfiava que ele pudesse der dislexia em aprendizagem, fiquei muito assustada pois não sabia o que era muito bem, busquei a neuro e com o exame processamento auditivo o diagnóstico veio realmente ele é disléxico, agora ele faz fono retorno na escola e frequenta uma sala de recursos para pessoas deficientes na própria escola em horário diferente, conversei na escola pois antes do diagnóstico ele era uma possível reprovação , mas com ajuda pude reverter isso, agradeço a professora dele que olhou pra ele com amor e carinho que me orientou e me ajudou a procurar ajuda para ele, hoje estamos iniciando uma nova caminhada na vida dele, mas com paciência e carinho ele irá conseguir … obrigada Deus abençoe.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *