Tipos de Documentação que Comprova o Diagnóstico do Disléxico

Tempo de leitura: 2 minutos

Confira abaixo a diferença entre os tipos de Documento que Comprovam o Diagnóstico do Disléxico.

DECLARAÇÃO MÉDICA: é um documento informativo. Declara circunstanciadamente a condição de saúde do paciente, constatada pelo profissional. O conteúdo desta espécie de documento deve reproduzir, com idoneidade, as conclusões após exame/análise médica.

RELATÓRIO MÉDICO: descreve formalmente a condição de saúde do paciente, após atendimento médico. Tem a finalidade de informar e descrever as condições clinicas do paciente diante de determinado diagnóstico/situação.

PARECER MÉDICO: trata-se de uma resposta por escrito, a uma consulta realizada. O conteúdo deve expressar de forma clara e objetiva a síntese do caso/situação; detalhar observações e os critérios adotados na análise; e ao final apresentar uma conclusão.

LAUDO: é um documento formal, técnico e pormenorizado, que exige conhecimento especifico. Deve ser emitido por médico especialista ou equipe médica multidisciplinar após a realização de exames de uma determinada situação através da qual se apresenta e descreve um diagnóstico (c/código CID). Deverá constar o instrumento e/ou método utilizado; descrição normal e as alterações observadas no paciente; e o diagnóstico/conclusão, tendo como referência os padrões estipulados pela sociedade médica.

Observações Importantes sobre o Diagnóstico do Disléxico

  • O documento médico deve ser emitido por profissional regularmente habilitado e legalmente autorizado;
  • A validade e os efeitos da documentação médica decorrem de lei federal, isto é, goza de presunção de veracidade, em decorrência da fé pública, concedida aos atos do profissional que o emite.
  • O documento médico não deve conter opinião de cunho pessoal e/ou ilações, mas tão somente o que possa ser provado ou cientificamente defendido;
  • Em virtude do sigilo médico, o diagnóstico e o código CID só deverá constar da documentação por justa causa, dever legal ou a pedido do paciente ou representante legal, conforme determina o art. 102 do Código de Ética Médica. Neste sentido, é importante que o paciente ou seu representante legal, manifeste ao médico ou equipe multidisciplinar que o diagnóstico c/ o código CID deverá constar expressamente da documentação medica.

 

6 Comentários


  1. Quando começei namorar o meu Marido tinha 22 anos foi bem na época q comercei a cursar engenharia em 2011.2 como ele ja era formado na ária sempre me ensinava as disciplinas q eu tinha dúvidas, daí ele percebeu q eu tinja uma forma diferente de escrever pois eu escrevia espelhado. E quando tentava escrever normal trocava mtas letras e numeros. Daí ele começou a pesquisar e me falou sobre dislexia, pois até então eu nunca tinha ouvido falar. Nossa eu lembro q me emocionei ao ponto de chorar, pois passei minha vida inteira me sentindo estranha e mtas vezes “burra”. Hoje fazem 6 anos desse episódio porem nunca procurei um especialista, e estou encontrando cada dia mais dificildades na faculdade, pois ainda não conseguir colar grau, são inúmeras as disciplinas q eu reprovo e não é por não saber o conteúdo, mas por não conseguir expressar no papel em tempo de prova. Gostaria de saber quais os especialistas devo procurar para me ajudar.

    Responder

  2. Pippo, recentemente descobri que provavelmente sou dislexica, gostaria de saber se nós os disléxicos, temos direito a utilizar a carteirinha do passe livre?

    Responder

  3. Olá, eu tenho dislexia, minha mãe descobriu que eu tinha dislexia quando era criança (com 7 anos) e fiz acompanhamento de 2 anos, com uma fono e com um psicólogo. Eu estava bem e tinha conseguido, do meu jeito, aprender a estudar, geralmente por associações referências ou até mesmo tentando dialogar com os autores, porém continuava trocando alguns os fonemas, mas não era nada tão agravante. Porém eu resolvi que queria estudar uma nova língua (francês) e meu Deus, as vezes eu começo a chorar em casa, já repeti semestre e tudo, é mto difícil pra mim. Eu tenho mta diviguldade de associar o som com a palavra, e nas provas auditivas sempre tiro nota baixo, pq eu demoro pra entender o áudio e as vezes nem entendo. Nas leituras eu fico mto nervosa e me sinto mto burra depois que eu leio, pq eu leio devagar e erro algumas pronúncias. Tinha dia que estou ótima e tem outros que eu só quero abandonar tudo. O que eu faço? Existe alguma pesquisa sobre o ensino de língua pra pessoa com dislexia?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *