5 Maneiras para o Disléxico ter Sucesso na Escola

5 Maneiras para o Disléxico ter Sucesso na Escola

Tempo de leitura: 7 minutos

Quer descobrir o caminho para o disléxico ter sucesso na escola? Há um tempo lancei a seguinte pergunta em alguns grupos sobre dislexia que faço parte no Facebook: “Qual sua expectativa quando a semana começa e seu filho precisa ir à escola?” Tomando como base minhas próprias experiências de vida, confesso que não esperava respostas muito otimistas. Não vou generalizar, houveram sim pessoas com pensamento muito positivo e animado, mas não representam nenhum pouco a maioria. Grande parte do número de comentários rolava entre “Ah não, tudo de novo não”, “As aulas mal começaram e eu já quero fim de semana de novo”, “O início é sempre complicado como em todas as outras semanas” e por aí vai. Meu objetivo com esse texto é passar umas dicas que deram certo comigo. E além disso,  eu não quero que você simplesmente entre bem na sala de aula, estou escrevendo pois quero que você entre arrasando!

1) Descubra a Importância de Estudar

Faça a si mesmo a seguinte pergunta “Para que eu estou estudando?”. Nós disléxicos perdemos rápido o foco quando por uma coisa, quando ela não nos interessa. Então muito mais que a dificuldade causada pelo próprio transtorno, eu acredito que, muitas vezes, deixamos a desejar nos estudos pois simplesmente não estamos motivamos para isso. (Também néh… por vezes a matéria apresentada de forma maçante, professores que não nos estimulam, e o bullying que sofremos… me diz quem se sente motivado assim?)

Então o que fazer? Não dependa dos outros, motive a si mesmo! Pense que a escola é o seu QG (para quem não entende de quadrinhos, QG significa Quartel General), onde você vai ser treinado para conquistar coisas grandes lá fora! Por exemplo: me formei em publicidade propaganda na faculdade, nunca mais na minha vida tive que mexer com química, física e biologia – isso quer dizer que elas foram inúteis para mim? Claro que não!

Estar me preparando/estudando para matérias que definitivamente não eram minha praia, além de abrir a mente para coisas novas, fizeram com que eu treinasse minha perseverança  para enfrentar as mais adversas situações do dia-a-dia de trabalho.

2) Destaque-se na Sala de Aula

Se você é disléxico provavelmente já passou ou passa por alguns perrengues dentro da sala de aula: notas baixas, recuperação, depender de conselho de classe, passar de ano sempre no limite, ansiedade, stress e por aí vai – sei bem disso, porque eu também já passei por isso.

Então o que fazer? Pode soar meio estranho o que vou dizer agora, mas a melhor forma de deixar de ser o pior aluno na sala, é ser o melhor aluno da sala. E como se faz isso? Primeiro, encare toda prova como se fosse prova final – nada de ficar enrolando no começo do ano e tentar recuperar só em novembro, por que não vai dar certo. Segundo, quando o professor mandar fazer um trabalho, faça-o assim que receber – nada de deixar tudo para a véspera. Terceiro, a dislexia te dá muitos dons, entre eles os principais são Criatividade e Persistência (ambos já falei aqui no blog, e você ainda não leu, clique em criatividade ou persistência), então use e abuse deles! Vou falar aqui uma coisa para ilustrar o que estou dizendo, como conjugar o verbo “falar” no FUTURO DO PRETÉRITO:

Pense comigo: FUTURO DO PRETÉRITO, isso não uma palhaçada? Algo que é futuro e passado ao mesmo tempo!? E  o que o palhaço quer que você faça?
Quer que você RIA
falaRIA
falaRIAs
falaRIA
falaRIAmos
falaRÍEis (esse é diferente mesmo rs)
falaRIAm.

3) Se Esforce e dê o Seu Melhor

Pense o seguinte, nem todo aluno que tira 10 é um aluno nota 10; e nem todo aluno que tira 5 é um aluno nota 5. Se você tirou 5 mas suou a camisa e deu o seu máximo, tudo bem, você melhora na próxima. Agora se você só folheou o caderno, deu uma passada de olho na matéria e foi direto para o Facebook, Videogame (ou o que for), quando pegar nota baixa, não venha pagando de injustiçado reclamando da escola ou do professor. Tomos temos que fazer a nossa parte!

Vou contar um causo pessoal. No colégio onde estudei, o ano letivo era dividido em 1a etapa, 2a etapa e 3a etapa, sendo que em cada uma delas tinha uma provinha (prova intermediária) e um provão (prova unificada). Quando estava no primeiro colegial, fechei a primeira etapa com 5 notas vermelhas (para desespero meu e da minha mãe). Foi aí que comecei a me empenhar mais, aumentei minhas aulas de reforço, e pegar pelo menos 15 minutos de matéria por dia. Fechei a 2a etapa com apenas duas notas abaixo da média, sendo que uma delas (história) precisava apenas de 0,25 para recuperar. Bom, na 3a etapa a coisa foi mais emocionante, a outra matéria que precisava recuperar era geografia, por conta de uma certa falta de organização minha na entrega de algum trabalhos, cheguei pra prova final precisando tirar 9,0 para passar. Pensa que eu desisti por isso? Melhorei aquilo que estava ruim e aperfeiçoei aquilo que estava funcionando na minha forma de estudar. Quando recebi a nota, havia tirado 9,3 – passei direto!

Depois de toda a correria do meu 1o ano do colegial, eu tinha aprendido uma lição muito importante: aproveitar bem meu tempo. Com isso na cabeça, meu 2o e 3o anos foram mais tranquilos, em nenhum dos dois tive notas abaixo da média no boletim.

4) Empenhe-se nas Matérias que Você é Pior

Como eu disse antes, não tem nenhum problema em ser ruim em alguma matéria, o problema é o que você faz com relação isso. Duas coisas que funcionaram bastante para mim:

1-) AULAS PARTICULARES: fiz aula de reforço dos meus 10 até meus 17 anos, e foi um dinheiro muito bem investido da minha mãe. A maior contribuição que eles deram para mim, além do conteúdo, foi que aqueles professores sempre esperavam MAIS de mim, eles realmente acreditavam em mim, tinham expectativas maiores para mim.

2-) ENVOLVER-SE COM PESSOAS INTELIGENTES: já perceberam que os nerds viram as pessoas mais populares da escola na época das provas, pode ser que durante o ano ninguém trocou uma palavra com eles, mas na correria do final do ano eles são sempre disputados. Como me ensinou minha mãe “diga-me com quem andas, e te direi quem és”, desde os primeiros dias de aula eu já fazia amizade com os nerds da sala, para que quando chegasse o sufoco eu tinha com quem contar. (E algumas dessas amizades eu cultivo até hoje).

5) Última Dica para o Disléxico ter sucesso na escola: Conscientize as Pessoas

Vou dar uma dica que eu fazia em todos os meus primeiros dias de aula: eu chegava para o professor depois da aula e falava “Professor, tudo bom? Só queria falar para o senhor que eu sou disléxico e de vez em quando a matéria não quer entrar na minha cabeça rsrs (dê uma de bem humorado nessa hora), só queria informar que vou falar muito com o senhor quando isso acontecer, tudo bem?” Simples assim, o professor já vai te olhar de uma forma diferente pois ele viu que você confia nele.

Outro causo muito interessante que aconteceu comigo foi quando, em um dia que recebemos as notas das provas, uma menina me questionou “Pippo não vale, você só vai bem porque faz prova diferente da gente”, e a resposta que me veio de lampejo foi “Pois é, quem mandou você nascer normal? rsrs”. E a partir daí, as pessoas vinham me perguntar sobre a dislexia, e foi uma bela porta de entrada para que eu começasse a conscientizar a galera sobre o que ela realmente é e como ela funciona.

Talvez você se pergunte “Ok, mas conscientizar meus amigos vai trazer que beneficio para mim?”, para você realmente nada, mas se esse amigo encontrar outro disléxico ao longo da vida, ele vai poder ajuda-lo.

11 Comentários


  1. adorei o texto.
    mas sinceramente tive que me esforcar um pouco pois na metade minha mente comecava e se distrair hehehehehe

    adorei mais ainda o final, sobre a parte em dizer aos professores que se eh dislexico.
    mas ai vai minha dica de quem for fazer isso.

    informe o professor apenas se voce estiver pronto para falar abertamente para alguem do sua situacao. e se dicedir fazer, fale assim que as coisas comecarem a complicar pra voce… algum trabalho, licao de casa etc…..
    nao esperem até uma prova chegar com nota ruim pra falar pro prof, pois vai parecer que esta tentando fugir da nota ruim.
    e o mesmo vale para vc nao chegar chegando em todos os professores e falar a mesma coisa.
    fale apenas para qeueles que se tem dificuldade mesmo. e explica onde esta a dificuldade naquela materia. pois os professores conversam entre si, e pra nao parece que voce deu tiro para todos os lados para siplesmente facilitar pra voce, aborde apenas alguns, e apontando onde tem dificuldade.

    essa ai foi minha dica a todos.

    pippo parabens pelo texto e iniciativa. espero que consiga chegar ao maximo de pessoas possivel.

    Responder

  2. Adorei se texto e depoimento!

    Pipo, temos que achar uma maneira de se sentir confortável , no meio da multidão!

    Não existe uma formula pronta, cada um vai ter que se encontrar, leva algum tempo , mas garanto para você quando se achar tranquilo com a dislexia, tudo mudará!

    Tentar viver de uma forma harmônica com seus “defeitos”, Trara segurança.

    Temos que achar um meio de fazer da dislexia uma aliada e não um oponente!

    Responder

  3. Fe, amei o texto! Parabéns.
    Antes de hoje, confesso que eu só sabia o que era dislexia, mas nunca havia tido contado com nenhum disléxico. E gostei muito do seu texto, é realmente muito importante as pessoas perceberem, acima de tudo, que não é um tabu ter dislexia. Eu achava, sinceramente, que disléxicos tinham que ter salas especiais ou coisas assim. Por isso seu trabalho com o blog é tão importante! Para todo mundo saber que existem dificuldades mas que, acima de tudo, vocês merecem todas as mesmas chances, oportunidades e tratamento que o restante das pessoas! Amei seu ponto de vista super otimista e sua iniciativa em começar um blog super rico e legal! Parabéns, de verdade!
    Beijão,
    Marina.

    Responder

  4. Adorei! O professor em sala de aula podem fazer muita diferença! sendo criativo ao ensinar, preocupando com crescimento dos alunos e não com estatística. Não sei se deu para entender…Exemplo: O mestre religioso ele deve se preocupar mais com o pecador do que com o pecado.

    Responder

  5. Adorei! O professor em sala de aula podem fazer muita diferença! sendo criativo ao ensinar, preocupando com crescimento dos alunos e não com estatística. Não sei se deu para entender…Exemplo: O mestre religioso ele deve se preocupar mais com o pecador do que com o pecado.

    Responder

  6. É isso mesmo!! Minha melhor fase foi no ensino médio.Os professores sabiam de mim e me davam um prazo maior para entrega de trabalhos e mais tempo em provas.
    Minha prova de matemática era assim: Eu estudava em casa o assunto, assistia vídeo aulas e via algumas resoluções de questões. Na sala de aula, só eu e o professor, eu resolvia as questões na frente dele e eu explicando como fazia aquele cálculo. Aquilo me ajudou profundamente.
    Abraço Pippo!

    Responder

  7. Que texto maravilhoso. Adorei e li para toda minha família.
    Parabéns por.sua luta.

    Responder

  8. Apos uma açâo social ao estado consegui uma liminar meu filho se desenvolve muito bem com este profisional em sala de aula meu objetivo e fazer leis e mudar a metodologia de ensino para isto ja tenho uma lei municipal e uma que tramita no meu estado do rio grande do sul so paro quando os dislexicos tivetem o aprendizado de qualidade.

    Responder

  9. Adorei mas tem professores que não acredita na DISLEXIA então tenha laudos e relatórios em. maos. E exija seus. Direitos. Vejam o filme como estrela na terra .no YouTube maravilhoso

    Responder

  10. Ótimo texto, tenho uma filha de 6 anos que tem dificuldades gigantescas na escola ela é super inteligente para diversas coisas do dia a dia mas com letras e números não decora uma virgula sequer. Fui chamada na escola e ela começara um tratamento obg pelas dicas vou aplicar com ela confiança sempre ajuda 😉

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *