A organização do Disléxico é a Base do Sucesso

Tempo de leitura: 3 minutos

Quando falamos em organização do disléxico, quero dizer organizar a vida em primeiro lugar. Quando falo de organização a primeira ideia que vem à cabeça é o horário. O que a mãe de um disléxico deve fazer? Trabalhar o dia a dia da criança com horário: hora de acordar, hora certa para as refeições (e que estas sejam de qualidade! – Salgadinhos e guloseimas não devem substituir uma boa refeição!) hora do banho, hora de brincar e/ou lazer é tão importante quanto o dever de casa! E hora certa de dormir! Na hora de dormir uma boa história para baixar a adrenalina, ajuda significativamente no repouso esperado!

Tudo isso dá trabalho? E como!

Li em algum lugar que se você não quer ter trabalho, não tenha filhos! Mas este trabalho eu chamo de investimento, pois com saúde e organização é possível melhorar a qualidade de vida de um disléxico.

Se seu filho já está na escola e é alfabetizado, consulte a agenda escolar dele. Verifique quais tarefas devem ser entregues e quando, data das provas, etc. Ajude-o na organização dos estudos! Esta é a lição de casa diária da mãe! Pude acompanhar de perto o desenvolvimento escolar do Pippo, pois sou professora e sempre, pelo menos um período do dia, eu estava em casa e meu acompanhamento com ele sempre foi muito próximo!

Qual o tipo de lazer para um disléxico? Você pode escolher dentre uma gama enorme de possibilidades: jogos de quebra-cabeça, caça-palavras se a criança já é alfabetizada, jogos de montar (tipo Lego) e por que não filmes e um bom teatro infantil? Ajuda a criar uma consciência crítica do mundo. Não esqueça de comentar com a criança os aspectos principais e do filme e/ou a peça de teatro. Crie uma situação favorável para a troca de ideias. Você vai se surpreender como as crianças de hoje estão antenadas!

Selecione os programas de TV para a faixa etária do seu filho. Na TV aberta opte pela TV Cultura que possui bons programas infantis e altamente educativos. Na TV paga os canais Discovery Kids, Animal Planet são bem úteis. Novelas não acrescentarão nada de útil para seu filho! E falando sinceramente: nem para você!

Confira o modelo de documento que garante os direitos do disléxico na sala de aula

E o esporte? Sempre muito bem-vindo! A natação é um bom começo pois pode ser um lazer e mais tarde tornar-se algo mais sério! A água é um bom relaxante para os hiperativos, mas cuidado! Não crie uma agenda apertada para o seu filho, senão esporte será encarado como uma obrigação e o u tiro sairá pela culatra: seu filho pode começar aí uma relação de ódio com o esporte e atividade física é boa para todos!

O que é melhor: esporte individual ou coletivo? Depende do gosto da criança. Não force seu filho para uma atividade que ele não tenha a menor aptidão. Use seu bom senso. Um esporte praticado com prazer e retorno é fantástico! A propósito: você já fez sua atividade física hoje?


Veja outros artigos do DislexClub

6 Comentários


  1. Amei! Até porque sou muito voltado para essas questões meios que podem me ajudar a mim ajudar. E também a ajudar de alguma forma o meu próximo. Para que assim ele venha ter melhor.
    Pretendo continuar lendo e aprendo com vc… continue nessa empreitada…

    Shalom!

    Responder

  2. Socorro!!! Sou mãe de um menino de 14 anos, dislexo.
    Preciso de ajuda pois não agüento mais tanta injustiça.
    Estou procurando todas as possibilidades de ajuda para que possamos fazer algo por nossas crianças que são punidas, simplesmente por serem dislexas.
    Meu filho, hoje, me interrogou, mais uma vez, sobre o que fazer em relação aos comentários de seus professores.
    Ele me disse assim:
    – Mãe, mais um professor, agora o de ciências, me disse assim:
    – M… eu não acredito que você não passou direto! Como garoto???? Você sabe tudo de minha matéria.

    Eu o questionei sobre a resposta e ele me disse:

    – Mãe, eu falei que o meu problema e na escrita.

    Pasmem! M… estuda na mesma escola desde os 2 anos de idade. Tudo que ele vivenciou, como aluno, foi nessa escola. Eu, como educadora, pedagoga e Psicopedagoga, logo na alfabetização percebi que ele teria problemas com a escrita e leitura. Mas, pelo vínculo com a equipe da escola, sempre entenderam, essa mesma equipe, que minhas desconfianças eram coisas de mãe com “culpa”.
    Hoje, após 12 anos, estamos vivendo a pior fase de nossas vidas.
    Vejam, meu filho ama sua escola, seus professores e equipe, mas, “indiretamente”, estou sendo obrigada a retirar o meu filho da escola, simplesmente porque a diretora da escola não aceita avaliá-lo de forma diferente, mesmo com o depoimento de todos os professores de que ele é um dos melhores alunos da escola, em todos os sentidos (conteúdo, comportamento, participação…) sem nenhuma ocorrência disciplinar e com o depoimento da psicóloga, da coordenadora pedagógica e do diretor da unidade de que ele é muito competente e com uma grande facilidade de apreender o conteúdo, a Diretora Geral, não admite que ele seja. Avaliado oralmente e não aceita o fato dele não conseguir ter êxito na escrita.
    Segundo ela, se ele não tiver notas para passar, ele ficará reprovado.
    Para ela o que importa ē medir o aluno e não avaliá-lo.

    Hoje meu filho, está no 8º ano e no momento está sendo acompanhado por uma psicóloga e uma fono, ambas especialista no assunto.
    Seu diagnóstico de dislexia, foi feito pela Drª Carla Gikovat.
    Com tudo isso, sofro ao ouvir a diretora dizer que se ele não atingir o percentual mínimo para passar ele ficará reprovado e sugeriu que eu deveria repensar a permanência dele na escola, pois ele não possui o perfil de aluno para escola.

    Disse-me que o perfil de aluno para está escola é o da minha outra filha que foi aprovada para universidade estadual e federal. Saindo direto do Ensino Médio para faculdade.

    Com todas as minhas forças não aceito essa discriminação.
    Hoje meu filho tem insônia, herpes labial, stress, e uma tristeza enorme, pois ama a escola, seus amigos e seus professores, deste grupo, ele recebe todo carinho e atenção.

    Seu sonho é ser chefe de cozinha. Ama cozinhar, tem um nível cultural e um vocabulário invejável. Muito seletivo, assiste bons programas na tv é auto didata em alguns assuntos.

    É fã do Jamie Oliver.

    Como reter um aluno como esse na série. Quando questionei a diretora sobre, no que uma reprovação, para esse tipo de aluno seria proveitoso, disse ainda que, Por esse motivo, ele ficará reprovado todos os anos.

    Nesse momento, ela me interrompeu e me disse:

    – depois do segundo ano reprovado, eu o aprovo.

    Que absurdo!!! Neste caso então meu filho seria punido por ser Disléxico?

    Estamos fazendo mais uma avaliação com mais uma Fono e fará também um novo PAC.
    Tudo que ele queria é continuar em sua escola, sente-se querido por todos e, credita aos professores, tudo que sabe. Seu nível pedagógico e seu QI, está muito acima da faixa. Mas, por ser dislexo, não tira boas notas, mesmo dominando todo o conteúdo.
    Não suporto ver o sofrimento do meu filho. Vive escondendo as provas. Não consegue entender o que acontece.

    Que profissional é este que, por puro capricho, não permite que seus professores cumpram com seu papel.

    Sinto-me fracassada como mãe.

    Hoje, só queria dar ao meu filho o direito de continuar estudando na escola que ele ama. Não tenho problema para pagar,Nunca pedi nada em relação a isso, só queria que os direitos do meu filho fosse respeitados.

    Conto com a ajuda de vocês.

    Estou usando todos os canais para pedir ajuda em relação a GARANTIR que meu filho e todos os outros alunos dessa escola, que em sua maioria, por falta de conhecimento dos pais, são obrigados a saírem dessa escola, por não se enquadrarem no perfil de aluno estabelecido pela escola.

    Mesmo que sejam verdadeiros gênios.

    Qual o benefício para um aluno, ficar pulando de uma escola para outra?
    Principalmente quando os seus professores reconhecem o valor do aluno, mas, ficam presos a tirania de uma diretora que só pensa no resultado do ENEM, vestibulares e concursos da vida !!!!!

    Socorro!!! Me ajudem a mudar essa prática absurda.
    Desabafo de uma mãe desesperada e que ama o seu filho incondicionalmente.

    Responder

    1. Olá Rita! Sei que já tem um ano a sua postagem, mas tb sei que essas coisas não se resolvem facilmente. Então resolvi escrever, torcendo que eu esteja atrasada e que tudo tenha se resolvido. Eu gostaria de fazer uma pergunta e ao mesmo tempo uma sugestão: seu filho já fez um screening para síndrome de irlen? Algumas adaptações no material didático, caso ele tenha processamento visual central alterado, podem ser muito interessantes. Desculpe a intromissão, mas a ideia é colaborar na busca de melhor qualidade de vida. Se quiser msis informações, entre no site do Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães: http://www.fundacaoholhos.com.br , você vai encontrar meus dados na area das screeners. Sou de São José dos Campos/SP. Um abraço!

      Responder

      1. Boa Tarde! Li seu comentário e tenho um filho disléxico grave com 6 anos! gostaria de fazer esse exame. Onde posso encontrar? Moro em Piraí – RJ, fico a 22 km de Volta Redonda. Se tiver que ir a São José fazer tb vou com prazer!! Obrigada Tatiana

        Responder

  3. Boa dica de educação de um modo geral para a vida de uma criança disléxica. E um texto debom senso, o que é muito importante.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *